ABRHRJ

Instituição sem fins lucrativos, com objetivos de congregar profissionais de RH e disseminar o conhecimento do mundo do trabalho para desenvolver pessoas e organizações, influenciando na melhoria da condição social, política e econômica do país.

Missão

Nossa missão é disseminar o conhecimento do mundo do trabalho para desenvolver pessoas e organizações, influenciando na melhoria da condição social, política e econômica do país.

Endereço

Av. Presidente Vargas – 463/sala 1101 – Centro – Rio de Janeiro – RJ CEP 20071-003. Fone:(21)2277-7750 Fax:(21)2277-7758

Início/Liderança/Ex-presidente da ABRH-RJ será a primeira mulher à frente da Federação Mundial das Associações de Gestão de Pessoas

Ex-presidente da ABRH-RJ será a primeira mulher à frente da Federação Mundial das Associações de Gestão de Pessoas

Leyla será presidente da WFPMA no biênio 2018-2020

Ineditismo talvez seja o melhor dos termos para definir a atuação de Leyla Nascimento no universo do RH. Ela foi a primeira mulher a ser presidente da ABRH-RJ. Também rompeu com essa barreira na ABRH-Brasil. E depois de ter feito o Brasil ocupar novamente, após um hiato de 20 anos, a liderança da Federação Interamericana de Associações de Gestão de Pessoas, Leyla será a primeira mulher à frente da Federação Mundial das Associações de Gestão de Pessoas (WFPMA), no biênio 2018-2020. Leyla tomará posse no dia 18 de junho, durante o Congresso Mundial de RH, em Chicago, nos Estados Unidos. Ela já havia feito história na WFPMA, sendo a primeira a ocupar o cargo de secretária-geral, que é o segundo posto mais importante da entidade.

“Este marco tem me acompanhado por toda a minha vida profissional. Ocupei várias vezes cargos que nunca tinham sido ocupados por mulheres. Na própria ABRH-RJ e na ABRH-Brasil, fui a primeira presidente após décadas de existência das associações. Isso diz respeito à certeza de que escolhi uma trajetória profissional que me realiza como pessoa, percurso no qual tenho empenhado intensa dedicação”, destacou Leyla em entrevista para a ABRH-RJ, na época em que tomou posse na secretária-geral da WFPMA.

Ainda na mesma entrevista, ela avaliou seu trajeto até chegar à Federação Mundial. “Realmente foi longo, marcado pelo trabalho voluntário e por desafios. O associativismo requer compreensão na arte de liderar. Gerir líderes voluntários não é uma tarefa simples. É preciso possibilitar que deem o seu melhor no pouco tempo de que dispõem”, observou.

Conhecida por ter um perfil de gestão caracterizado pelo compartilhamento, além de agregar pessoas e líderes em torno de um trabalho, Leyla sempre costuma destacar em entrevistas que acredita na força da gestão colaborativa e na diversidade de talentos para construção de um propósito. Diversidade, por sinal, é justamente algo que não deve faltar, pois atualmente a Federação congrega mais de 90 associações nacionais filiadas e 600 mil profissionais.

“Esse é um desafio muito bom de vivenciar. São diferentes culturas, diferentes tempos de vivência na prática de recursos humanos em cada país. Essa visão multicultural enriquece e contribui para uma troca efetiva de práticas e estudos”, afirma. Entre os objetivos para a gestão, estão a manutenção do trabalho de aproximação da WFPMA às federações continentais, o aprimoramento da comunicação e divulgação em todas as associações nacionais, que são as multiplicadoras de conhecimento.

Leyla vai levar para a WFPMA toda a experiência de quem presidiu a ABRH-Brasil e a ABRH-RJ. Por sinal, ela faz questão de destacar o quanto foi importante a ABRH-RJ em sua trajetória, especialmente o aprendizado que teve com Luiz Carlos Campos e Nelson Savioli. “A ABRH-RJ é a grande responsável por essa trajetória. Lá tive dois mestres que considero insuperáveis. O saudoso Luiz Carlos Campos, que foi um líder transformador e muito atento ao papel de nossa associação. Outro insuperável é o Nelson Savioli. Foi ele quem me ensinou a liderar com visão estratégica”, afirma.

Inovação

Outra marca das gestões de Leyla é a inovação. As entidades que lidera costumam ser estimuladas a pensar de modo anticonvencional, como aconteceu com a ABRH-Brasil, que idealizou o Global Studies Committee, o G20 do RH. O grupo reúne representantes das associações de gestão de pessoas que mais vêm se destacando, com o objetivo de discutir cenários e tendências do setor no mundo. O projeto foi abraçado pela WFPMA, como uma forma de facilitar a disseminação das experiências de algumas associações, a multiplicação de práticas, o relacionamento entre as associações e, principalmente, a mobilização junto à comunidade local.

By | 2018-02-07T18:08:42+00:00 fevereiro 7th, 2018|Categories: Liderança|Tags: , , , |0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário